Author Archive

4,8 milhões de desempregados já deixaram de buscar trabalho, diz IBGE

desemprego-2018-001

manu manu 65

O número de pessoas aptas ao trabalho mas sem emprego no Brasil superou a marca dos 13,4 milhões no primeiro trimestre de 2019. Isso significa dizer que 12,7% dos brasileiros e brasileiras estão desempregados. Os dados atualizados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na última terça (30). “Os dados confirmam o indicativo do aumento do número do desemprego. Talvez o mais importante seja o volume desse aumento de desocupados. São 1,2 milhões de pessoas, comparando com o trimestre anterior. A taxa aumentou mais de um ponto percentual, o que é muito significativo em um primeiro trimestre”, comenta Patrícia Pelatieri, coordenadora de pesquisas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Uma análise mais aprofundada sobre os dados do IBGE revela outros recortes que permitem avaliar a evolução do cenário laboral brasileiro: 6,8 milhões de pessoas estão subocupadas. Tratam-se, em geral, de trabalhadores informais ou que se dedicam aos chamados bicos, trabalhando menos horas do que poderiam. O sociólogo Ricardo Antunes, um dos maiores estudiosos brasileiros sobre o mundo do trabalho, explicou em entrevista ao Brasil de Fato que este tipo de trabalho, informal, intermitente é a “antessala do desemprego”. Os números apontam também para um grupo crescente de trabalhadores desalentados, ou seja, desempregados que deixaram de procurar emprego, cresceu 3,9% no último trimestre. No total, 180 mil pessoas desistiram de encontrar um trabalho, somando 4,8 milhões de brasileiros. Antunes interpreta que a condição de desalento não significa que o trabalhador ou a trabalhadora não queira mais buscar emprego porque não precisa. “Eles não buscam mais emprego porque estão fazendo isso há um, dois anos. Para buscar emprego você tem que acordar cedo, ter dinheiro para condução, para alimentação. É muito custoso”, analisa. Somados os trabalhadores sub-ocupados, os trabalhadores que poderiam trabalhar mas não o fazem por diversos motivos – uma mãe que não pode trabalhar por ter que cuidar de um filho pequeno sem acesso a creche, por exemplo –  e os trabalhadores desalentados, o Brasil atingiu o recorde de 28,3 milhões de pessoas classificadas pelo IBGE como subutilizadas. “É muito preocupante olhar esse quadro, principalmente ao verificarmos o perfil dos desalentados, dos sub-ocupados e desempregados. São, em sua maioria, mulheres jovens entre 18 e 24 anos. Trabalhadores de ocupações elementares, com baixa escolaridade. Estamos falando de um empobrecimento da classe trabalhadora muito significativo”, alerta Pelatieri. De acordo com Antunes, a criação de bolsões de desempregados é servil ao sistema capitalista. Sobretudo no cenário atual, em que as políticas sociais estão em retração, e com os efeitos da reforma trabalhista, tornando trabalhadores cada vez mais reféns às condições degradantes impostas pelos empregadores. “O desemprego é o flagelo mais brutal. E cada vez mais esse bolsão de desempregados se confunde com o bolsão de subempregados, de informais intermitentes, porque todos esses vivenciam muitos horários de suas vidas em que deveriam trabalhar para sobreviver, na condição real de desemprego”, concluiu Antunes. Fonte: IBGE

Brasileiros pagam, em média, R$ 110 de juros por usar cheque especial

extrato

manu manu 67

Pesquisa do aplicativo Guia Bolso traz um alerta para os brasileiros que, com frequência, caem no cheque especial para pagar as contas do mês. O levantamento, feito com 355 mil pessoas revelou que, em março, esses brasileiros pagaram, em média, R$ 110,57 apenas de juros dessa modalidade. Como os juros do cheque especial giram em torno de 12% ao mês, isso significa que as pessoas usaram cerca de R$ 1.000 além do limite do valor que constava na conta. Ainda segundo a pesquisa, essa média de juros está aumentando. De janeiro para março a alta foi de R$ 9. Outro dado preocupante é que 1 a cada 4 pessoas entrou no cheque especial no mês de março. O aplicativo diz ainda que a última vez que a média de juros ficou abaixo dos três dígitos, ou seja, abaixo de R$ 100 foi em novembro do ano passado. No caso do rotativo do cartão de crédito, que é quando o consumidor não paga o total da fatura, o valor pago de juros foi, em média R$ 82,46. É uma quantia menor que a média do cheque especial, mas o aumento de janeiro para cá foi maior, de R$ 11 e quase 9% dos consumidores que possuem cartão de crédito entram no rotativo. As modalidades do cheque especial e do rotativo do cartão de crédito são as mais caras do mercado, mas geralmente são as primeiras a serem usadas quando o dinheiro não dá até o final do mês, por não exigirem qualquer burocracia. Mas é importante ficar de olho: uma dívida de mil reais, em seis meses, dobra de valor no cheque especial, chegando a R$ 2 mil. Especialistas em finanças recomendam buscar formas alternativas de crédito, com juros mais baixos. Fonte: Redebrasilatual

Dieese mostra ‘estado crítico’ do trabalho no país

reforma-trabalhista-2.2

manu manu 66

“Estamos na UTI”, afirma diretor técnico. Índice da Condição do Trabalho, lançado pelo instituto, procura aferir situação geral a partir de dados sobre desemprego, ocupação e rendimento. “Vai piorar” Lançado nesta quinta-feira (25) pelo Dieese, o Índice da Condição do Trabalho (ICT) demonstra o “estado crítico” vivido pelos trabalhadores, segundo o diretor técnico do instituto, Clemente Ganz Lúcio. “Estamos na UTI”, afirmou, enquanto apresentava o novo indicador a dirigentes sindicais. O ICT, uma espécie de “IDH do trabalho”, será divulgado trimestralmente. A metodologia compreende uma variação de 0 a 1: quanto mais próximo de zero, pior a situação geral do mercado de trabalho. Para calcular o índice, são considerados oito fatores, reunidos em três grupos: inserção ocupacional, desocupação e rendimento. Todos têm o mesmo peso. Os dados utilizados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE. Com isso, o Dieese já compôs uma série histórica, iniciada em 2012. O dado mais recente, relativo ao último trimestre do ano passado, mostra um ICT de 0,36, com retração em relação a igual período de 2017 (0,39). Os resultados são ainda piores se considerados períodos anteriores. Em 2014, por exemplo, o índice chegou a 0,62, demonstrando uma redução drástica das qualidade das condições de trabalho. Um período, como diz Clemente, de “explosão” do desemprego e de crescimento da informalidade. O mercado mostra “alta precarização, alta instabilidade e muita insegurança”. Ele chama a atenção para profundas transformações que vêm atingindo o universo do trabalho. Termômetro “Além das inovações tecnológicas, temos observado que a organização das empresas também se transforma. E o sistema de relações do trabalho vem sendo alterado”, afirma, citando a Lei 13.467, de “reforma” trabalhista. “Há um novo mundo do trabalho em termos de direitos. São múltiplas dimensões que afetam o mundo do trabalho.” A criação do ICT, acrescenta, traz justamente a preocupação de acompanhar essas mudanças para ajudar nos diagnósticos. Na comparação do diretor técnico, é uma espécie de “termômetro” para aferir as condições gerais da realidade atual do trabalho. Com o tempo, o Dieese pretende viabilizar leituras regionais do novo índice. No ICT que acompanha a inserção ocupacional, por exemplo, o dado do último trimestre de 2018 é de 0,29, ante 0,33 um ano antes – já chegou a 0,72 na série histórica. Esse item considera três fatores: formalização do vínculo de trabalho, contribuição para a Previdência e tempo de permanência no emprego. Cenário desfavorável Já o índice relativo à desocupação ficou estável em 0,36. Mas no final de 2013, por exemplo, estava em 0,9, em um período de menores médias históricas do desemprego e crescimento da ocupação com carteira assinada. Esse grupo inclui desocupação/desalento, procura por trabalho há mais de cinco meses e novamente desocupação/desalento, desta vez dos responsáveis pelo domicílio. O índice do rendimento considera o ganho por hora trabalhada e a distribuição dos rendimentos, um indicador que mede a desigualdade. Nesse caso, o ICT foi de 0,46 para 0,44. Já esteve perto de 0,6. Clemente observa que é o grupo que tem “movimento mais suave”, sem variações extremas. A divulgação do ICT do primeiro trimestre deste ano deverá ocorrer entre final de maio e início de junho, dependendo dos resultados da Pnad Contínua. Pelas condições da economia e por se tratar de um período historicamente de menor atividade, o diretor do Dieese adianta: “Vai piorar”. Segundo ele, as condições gerais da economia não indicam melhoria daqui para a frente. Em 2019, a situação permanecerá crítica. Apenas um crescimento entre 3% e 4% permitiria falar em um começo de reação. Mas o próprio governo começa a rever suas projeções para o ano. As estimativas iniciais, em torno de 2,5%, agora estão em 1,7%. Mas o diretor técnico acredita que o Produto Interno Bruto (PIB) chegará a no máximo 1%. Fonte:Rede Brasil Atual

Projeto amplia isenção do IR para 5 salários mínimos

receita-federal_2019-1

manu manu 68

Um projeto de lei do líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), amplia para cinco salários mínimos – o que equivale atualmente a R$ 4.990 – a faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). Vale lembrar que essa é uma das promessas da campanha eleitoral de Jair Bolsonaro. Hoje, está isento do IR quem ganha até R$ 1.903,98 por mês. A partir disso, os descontos são de 7,5%, 15%, 22,5% ou 27,5% sobre o valor dos rendimentos. A última alíquota é aplicada para quem ganha acima de R$ 4.664,68. Se aprovado o projeto, 12,3 milhões de brasileiros passariam à condição de isentos. Como forma de compensar a queda na arrecadação, o projeto do MDBista sugere acabar com a isenção que é dada atualmente para lucros e dividendos distribuídos por empresas a seus sócios e acionistas. Segundo o texto, o ganho líquido na arrecadação será entre R$ 26,8 bilhões a R$ 42,2 bilhões, a serem divididos com Estados e municípios, já que o IR é repartido pela União com os governos regionais. A taxação sobre lucros e dividendos seria de 15%. Pelo projeto de Braga, a tributação acima de cinco salários mínimos seria unificada em 27,5%, a alíquota máxima da atual tabela. Fonte: Senado

Bolsonaro acaba com política de valorização do salário mínimo

salario-minimo-002

manu manu 69

Projeto apresentado nesta segunda-feira estabelece que não haverá aumento real do salário em 2020 O governo Bolsonaro anunciou o valor do salário mínimo para 2020, de R$ 1.040, aumento de R$ 42 sobre ao atuais R$ 998. O projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) apresentado nesta segunda-feira (15) pela equipe econômica leva em conta somente a reposição da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional do Preços ao Consumidor), sem aumento real. De acordo com o Dieese, estima-se que 48 milhões de pessoas têm rendimento referenciado no salário mínimo. Quando subiu para R$ 998, em 2019, o incremento de renda na economia foi de R$ 27,1 bilhões. Na arrecadação tributária sobre o consumo, esse incremento foi da ordem de R$ 14,6 bilhões. Assim, o governo coloca um fim na política de valorização do salário mínimo adotada desde 2004 e estabelecida por lei desde 2007. A fórmula, negociada pelas centrais sindicais com o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, previa um mecanismo de valorização que repunha as perdas inflacionárias desde o último reajuste, pelo INPC; concedia aumento real de acordo com o crescimento do PIB referente ao ano anterior; e antecipava gradativamente, a cada ano, a data de reajuste, até fixá-la em 1º de janeiro. Além disso, estabeleceu-se um longo processo de valorização que de 2004 a 2019 significou reajuste acumulado de 283,85%, enquanto a inflação (INPC-IBGE) foi de 120,27%. Em janeiro, terminou a validade da Lei 13.152, de 2015, que fixava essas regras para o piso nacional. A proposta de LDO do governo Bolsonaro segue para votação do Congresso Nacional onde passa primeiro pela Comissão Mista de Orçamento. Após apreciação de deputados e senadores, o texto deve ser sancionado por Bolsonaro até 17 de julho. Participação social A política de valorização do salário mínimo foi conquistada graças à participação social, em ação conjunta das centrais sindicais, por meio das Marchas a Brasília, realizadas anualmente entre 2004 e 2009. As duas primeiras, em 2004 e 2005, conquistaram reajustes expressivos para o salário mínimo nos anos seguintes. Com a terceira Marcha, no final de 2006, foram conquistados o aumento do valor do salário mínimo de 2007 e a adoção de uma política de valorização desta remuneração, que passou a vigorar a partir de 2008. Assim, entre maio de 2005 e janeiro de 2016, o aumento real acumulado do salário mínimo foi de 72,98%. Nos dois anos subsequentes, entretanto, o percentual de reajuste que recaiu sobre o salário mínimo foi inferior ao INPC-IBGE (menos 0,1%, em 2017, e menos 0,25, em 2018), impondo-lhe perda de 0,34%. Com o valor fixado em janeiro de 2019, o salário mínimo acumula, desde maio de 2004, aumento real de 74,33%. Essa valorização teve impacto direto no aquecimento da economia nacional, já que esses reajustes atingem a base da pirâmide social, refletindo-se em aumento de consumo e da atividade econômica. No projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o ano que vem também não há previsão e realização de qualquer concurso público. “A prerrogativa, nesse momento, é sem previsão de concursos públicos”, declarou o secretário-adjunto da Fazenda do Ministério da Economia, Esteves Colnago. Também não há previsão de reajustes para o funcionalismo público, exceção feita aos militares, que terão ganhos de acordo com a reestruturação da carreira proposta pelo governo. Fonte: Redação Rede Brasil Atual

No PI, 20% ainda não declararam imposto de renda; prazo termina nesta terça

receita-federal-2018-002

manu manu 69

Deve declarar o imposto todos que receberam rendimentos tributáveis com valor anual de R$ 28.559, 70. O prazo final para a declaração do Imposto de Renda a Receita Federal está chegando ao fim. Os contribuintes têm até às 23h59 desta terça-feira (30) efetuar a declaração. Segundo a Receita Federal, a previsão para o Piauí é de 240 mil declarações, até o momento cerca de 190 mil, ou seja, 80% das declarações já foram entregues. O delegado da Receita Federal, Eudimar Alves, alerta que é importante que o contribuinte esteja atento aos prazos para não perder o período de declaração do imposto. “Mesmo que não possua todas as informações, entregue a declaração com o que você possui. Após o prazo, mediante a uma declaração notificadora, o contribuinte pode corrigir ou completar os dados, sem o pagamento de nenhum ônus”, disse. De acordo com o delegado, o ritmo atual está dentro das expectativas previstas para o Piauí. “Em 2018, mais de 40 mil declarantes entregaram o documento apenas no último dia. O programa continuará no ar, mas às 23h59 de amanhã (30), ele sai do ar. A Receita Federal não trabalha com prorrogações de prazos, ou seja, se perder a data, pagará multa”, disse Eudimar Alves. O valor da multa para a não declaração do imposto de renda é de no mínimo R$ 165,74. Além disto, os que contribuintes que não declararam ou que omitiram alguma informação podem ter seus dados retidos na malha fina. Deve declarar o imposto de renda todos que receberam rendimentos tributáveis com valor anual de R$ 28.559, 70. A declaração pode ser feita através do preenchimento do formulário no site da Receita Federal.  O envio das declarações começou em 7 de março e terminará nesta terça-feira, 30 de abril. Fonte: Portalodia

Mulheres que trabalham fora gastam ainda 18,5 horas com afazeres domésticos

mulheres-trabalho

manu manu 105

As mulheres que trabalham fora de casa gastam, em média, 18 horas e meia, por semana, nos afazeres domésticos. Os homens, por outro lado, gastam 10,3 horas. Os dados, referentes a 2018 e divulgados nesta sexta-feira (26), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelam também que 92,2% das mulheres e 78,2% dos homens realizam trabalho doméstico. Essa desigualdade, no entanto, tem se reduzido. Em 2016, a diferença batia 17,9 pontos percentuais. Em 2017 caiu para 15,3 e em 2018 ficou em 14. Levando em consideração a população que não trabalha fora de casa, 87% realizam tarefas em casa. As mulheres dedicam 23,8 horas a essas atividades, enquanto os homens 12 horas. Atividade mais feita em casa Cozinhar foi a atividade com a maior diferença entre os sexos, apesar de que, entre os que moram sozinhos, o percentual é semelhante: 92,7% para eles e 97,1% para elas. Mas quando os homens coabitam com mulheres como cônjuge, o percentual deles cai para 57,1%. No caso das mulheres, quando elas se tornam cônjuges, o percentual que cozinha sobe para 97,9%. O percentual de mulheres (37,0%) que realizavam cuidado de pessoas também se manteve maior do que o dos homens (26,1%). Os homens sem instrução ou com fundamental incompleto tiveram a menor taxa de realização (22,0%). Já a faixa etária de 25 a 49 anos apresentou o maior percentual tanto para homens (37,0%) quanto para mulheres (49,8%). Entre as pessoas com 14 anos ou mais, 7,2 milhões (4,3%) fizeram trabalho voluntário na semana de referência da pesquisa. Desse total, 48,4% realizavam o voluntariado quatro ou mais vezes por mês, enquanto 15,6%, eventualmente ou sem frequência definida. O tempo médio dedicado era de 6,5 horas semanais. Já a produção para o próprio consumo era realizada por 13,0 milhões de pessoas em idade de trabalhar (7,7%). Essa taxa vem crescendo desde 2016 (6,3%). Entre os que produzem para o próprio consumo, a maior parte (76,7%) realiza a atividade de cultivo, pesca, caça e criação de animais. Fonte: IBGE

Junta Comercial do Piauí torna certificação digital obrigatória para empresas

junta-comercial

manu manu 71

A Junta Comercial do Piauí (Jucepi) está instituindo a obrigatoriedade da certificação digital para as empresas. O procedimento será necessário para que as instituições possam desempenhar as atividades de tramitação de processos e protocolo com a utilização de assinatura certificada digitalmente, exclusiva para meios eletrônicos. O órgão estabeleceu um cronograma de implantação que inicia no dia 30 deste mês e, conforme o tipo de empresa, vai até o dia 31 de julho de 2019. A partir dessa data, todas os procedimentos na Junta serão feitos digitalmente. Por meio da certificação digital, o empresariado poderá ter muitos benefícios, pois poderá fazer uso da internet para a disponibilização de diversos serviços com maior agilidade, facilidade de acesso e redução de custos, além de ter a segurança de poder comprovar quem assinou o arquivo e garantir a validade jurídica. O objetivo da obrigatoriedade do certificado é trazer celeridade para o empresário e seus representantes. “Com isso, nós teremos uma celeridade muito maior, pois o contador ou empresário entrará no site e fará a solicitação e ela já chega de imediato para o nosso analista. Hoje, nós temos um prazo de resposta de 6h. A pessoa cadastra pela manhã e até o fim do expediente recebe de volta e com esse procedimento de certificação o prazo diminuirá ainda mais”, destaca Alzenir Porto, presidente da Jucepi. A adequação pela qual as empresas deverão passar está presente na instrução normativa – Drei nº 52, de 9 de novembro de 2018, que trata sobre os procedimentos de registro digital dos atos que competem ao Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins. O procedimento será adotado ao longo do primeiro semestre de 2019. “A gente já vinha trabalhando com isso há algum tempo. Nós temos contadores que já utilizam a certificação digital e colocamos essa obrigatoriedade agora. Isto é algo de suma importância para o empresário, principalmente porque poderá fazer qualquer tipo de serviço na Jucepi, independente do lugar onde esteja dentro ou fora do Brasil”, afirma Alzenir Porto ao informar que esse tipo de procedimento já está sendo adotado em todo o país. Cronograma para implantação do registro digital: Empresa Individual de Resp. Limitada (Eireli) – 30 de abril de 2019; Sociedades Limitadas – 31 de maio de 2019; Empresário Individual – 30 de junho de 2019; Cooperativas, Sociedades Anônimas, grupos, consórcios societários e demais sociedades empresárias – 31 de julho de 2019. Fonte: Junta

Governo Bolsonaro censura informações sobre ‘reforma’ da Previdência

reforma-previdencia-2019-001

manu manu 94

Ministério da Economia impõe sigilo a estudos e pareceres técnicos que embasaram PEC da Previdência. “Atitude vergonhosa, que prova que o governo tem muito a esconder”, diz Alessandro Molon Imposição de sigilo veio do Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes Reportagem do jornal Folha de S. Paulo deste domingo mostra que o governo de Jair Bolsonaro omite informações que justificariam a “reforma” da Previdência. O Ministério da Economia impôs sigilo em relação a estudos e pareceres técnicos que embasariam a Proposta de Emenda à Constituição 6/2019, a PEC da Previdência. Isso significa que o cidadão não pode ter acesso às estatísticas e dados que sustentam o texto em tramitação na Câmara dos Deputados. O jornal afirmou ter tomado conhecimento da situação ao formular um pedido com base na Lei de Acesso à Informação. “O governo quer mudar as regras da aposentadoria de todos os brasileiros, mas proíbe a população de ter acesso aos dados que fundamentam a proposta. Atitude vergonhosa, que prova que o governo tem muito a esconder. É inaceitável que se vote a reforma da Previdência antes que abram os números”, aponta o deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ), por meio de seu perfil no Twitter. Também pela rede social, a deputada federal Erika Kokay (PT-DF) contestou a decisão. “Bolsonaro e Guedes têm medo de que? A decisão só mostra o autoritarismo do governo. Mostrem os dados e provem para população que a reforma da previdência trará benefícios a ela. Provem que a reforma não beneficiará apenas os bancos!”, postou. “O governo vem impedindo o acesso à informação pública. Já proibiu jornalistas em coletivas, retirou dados da web e atacou credibilidade do IBGE. Agora, se recusa a apresentar estudos sobre essa reforma da Previdência. Mais um ataque à democracia e o combate à corrupção”, disse o deputado federal Edmilson Rodrigues (Psol-PA). Até mesmo apoiadores de Jair Bolsonaro criticaram o sigilo. A deputada estadual de São Paulo Janaina Paschoal (PSL), do mesmo partido do presidente, demonstrou no Twitter sua insatisfação. “Erra o governo ao decretar sigilo sobre relatórios que embasam a Reforma da Previdência. O erro se deve a dois fatores. Primeiro, a publicidade é a regra. Segundo, a Reforma da Previdência será a maior reforma social dos próximos tempos, quanto mais clareza em torno dela, melhor!”, disse. Fonte: Folha

E-Social começa a receber dados de MEI a partir desta 3ª

esocial -2019

manu manu 77

A partir desta terça-feira (16), está disponível para o Microempreendedor Individual (MEI) o acesso ao módulo simplificado do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial). Nesta primeira etapa, que é facultativa, somente estarão disponíveis os formulários para cadastramento dos dados do MEI e do empregado. A partir de julho, ainda de forma facultativa, os empreendedores poderão cadastrar também informações da folha de pagamento. O cadastro de informações somente passará a ser obrigatório para o MEI em outubro, segundo informações da Secretaria da Receita Federal. 150 mil têm empregado formalizado Atualmente, há 8 milhões de Microempreendedores Individuais formalizados no país. Desses, 150 mil possuem empregado formalizado. Desde 10 de abril, os integrantes do terceiro grupo do eSocial, composto por empregadores optantes do Simples Nacional, empregadores pessoa física (exceto doméstico), produtor rural pessoa física e entidades sem fins lucrativos iniciaram a fase de cadastramento que consiste no envio dos chamados eventos não periódicos, os quais compreendem informações relativas aos trabalhadores e seus vínculos trabalhistas, como admissões, afastamentos e desligamentos. Essa fase terá duração de 90 dias para que os empregadores do grupo três possam se organizar e enviar os dados solicitados de forma compassada e efetiva. Fonte: Receita

FIQUE SÓCIO

FIQUE SÓCIO

O associado do SINDECONPI poderá utilizar todos os convênios e benefícios que lhes são oferecidos, bastando preencher e imprimir a respectiva proposta de adesão, a qual deverá ser entregue ao Sindicato, acompanhada ...

SEUS DIREITOS

SEUS DIREITOS

Clique aqui e saiba mais sobre os direitos dos trabalhadores. IRRF – como calcular INSS – SEGURO DESEMPREGO FÉRIAS PROPORCIONAIS – tabela de proporcionalidade e faltas
RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO ...

CONVÊNIOS

CONVÊNIOS

Abaixo vamos relacionar alguns dos Convênios que oferecemos, esperamos contar com seu apoio e sua visita para fazer a nossa entidade ser conhecida pelos trabalhadores e sermos parceiros de luta e caminhada.

Discurso

 

SINDECONPI na luta

 

Sede - Teresina: Rua Tiradentes, 1321 - Centro Norte - Telefone: (86) 3221-8255.

Subsede Picos: Av. Getulio Vargas 599 - Galeria Tininha de Sá, sala 305ª

Horário de Atendimento (Sede e Subsede) das 8:00hs as 12:00hs e das 14:00hs as 17:30hs

Código Sindical: 914.565.000.26707-0